Acesso à informação

Serviços  

   

Artigos e Publicações  

   

Artigos

Rendeiras recebem Certificado de Identificação Geográfica

Detalhes

 

Maria Eliete Bezerra da Silva, do assentamento Boa Sorte e Maria Natividade Freitas Duarte, da comunidade Ingá.Maria Eliete Bezerra da Silva, do assentamento Boa Sorte e Maria Natividade Freitas Duarte, da comunidade Ingá.Desde setembro de 2013, as rendeiras do Cariri paraibano têm uma razão a mais para comemorar. Elas conseguiram o Certificado de Identificação Geográfica, documento que atesta a procedência regional da renda e garante a qualidade dos produtos, fazendo com que os mesmos tenham maior credibilidade e valor comercial.

 

“Essa é uma conquista muito importante para nós artesãs rendeiras, esse selo vem fortalecer nossa cultura para o resto do país”, declara Maria Helena, agricultora e rendeira da comunidade Pitombeira de Sumé. “O selo vai valorizar a nossa renda, pois onde a peça for vendida, vai com nossa marca e ninguém vai poder dizer que não fomos nós que a fizemos”, complementa Maria Natividade, da comunidade do Ingá- AMAI – São José do Tigre.

 

A renda renascença na Paraíba, principalmente no Cariri, é uma tradição cultural passada de geração em geração. Uma das principais fontes de renda das mulheres da região, é um artesanato muito bonito e fino, com peças exclusivas e que precisa de muita dedicação, uma vez que todo o trabalho é manual e feito ponto por ponto.

 

Os grupos de rendeiras da região sentiam a necessidade de garantir a origem das peças que produziam, e por meio da Cunhã – Coletivo Feminista e Centro da Mulher 8 de março, instituições parceiras do Projeto Dom Helder Camara / SDT / MDA, juntamente com o SEBRAE/PB, formaram um conselho, denominado Conarenda. Por meio do conselho, no qual Maria Helena de Sousa, da comunidade PitombeiraMaria Helena de Sousa, da comunidade Pitombeiraestão vinculadas associações, cooperativas e entidades ligadas a promoção do desenvolvimento econômico e social das rendeiras, foi feita a solicitação de reconhecimento de identificação geográfica no INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial).

 

Foram beneficiados com o certificado oito grupos de rendeiras das áreas de atuação do Projeto Dom Helder Camara: Associação de Mulheres Artesãs do Ingá (AMAI); Associação de Resistência das Rendeiras de Cacimbinha (ARCA); Grupo Mulheres Corajosas de Novo Mundo; Associação das Artesãs Agrárias; Associação das Mulheres Artesãs de Mão Beijada (AMAM); Grupo Mulheres de Fé; Grupo de rendeiras do Assentamento Renascer; Grupo de rendeiras do Assentamento Santa Catarina. 

   

Galeria de Imagens  

   
   
© Projeto Dom Helder Camara