Acesso à informação

Serviços  

   

Artigos e Publicações  

   

Artigos

Empresa do comércio justo compra algodão agroecológico de famílias agricultoras do Semiárido

Detalhes

 

 

Nos dias 20 e 21 de maio, famílias agricultoras do Sertão do Pajeú e Cariri Paraibano estiveram reunidas em Afogados da Ingazeira (PE) com Santi Maillorqui, diretor da empresa espanhola de comércio justo Fox Fibre. O objetivo do encontro, organizado pelo Projeto Dom Helder Camara (STD-MDA/FIDA/GEF) em parceria com a Embrapa Algodão e Rede do Algodão Agroecológico, foi discutir a comercialização da pluma agroecológica do algodão para a safra de 2014. No diálogo, ficou acordado o valor de R$ 6,50 por quilo de pluma orgânica. A expectativa de produção para 2014 é de 4,2 toneladas de pluma orgânica no Pajeú, e 2,3 toneladas no Cariri.

 

As famílias foram representadas por onze agricultores(as), integrantes da Associação Agroecológica do Pajeú (ASAP) e da Associação de Certificação Participativa dos Produtores Agroecológicos do Cariri Paraibano (ACEPAC); associações criadas em assentamentos e comunidades que desenvolvem a ação do algodão agroecológico em consórcios alimentares.

 


O presidente da ASAP, Claudevan Santos, apresentou a situação atual e a estimativa de produção para 2014 no Sertão do Pajeú. 54 agricultores e agricultoras da ASAP estão cultivando 41 hectares com o consórcio de algodão, milho, feijão, gergelim, abóbora, melancia, sorgo e outras culturas. A expectativa é de produzir 4,2 toneladas de pluma agroecológica. No Cariri, segundo Maria Nazaré, presidente da ACEPAC, são 19 ha e uma estimativa de 2,3 toneladas de pluma orgânica para esta safra.

 

Santi Maillorqui apresentou a proposta da FOX Fibre de parceria com as associações de agricultores. O diálogo primou pela autonomia das famílias. O mercado de comercialização da pluma agroecológica aberto entre a FOX Fibre e as famílias agricultoras aponta para uma parceria de médio e longo prazo.

 

No segundo dia de encontro, o diretor da empresa espanhola visitou a comunidade de Pilãozinho, município de Serra Talhada/PE, para conhecer o cultivo do algodão agroecológico dos agricultores João Magalhães e Paulo José.

 

Também participaram das negociações Ricardo Menezes, assessor da Coordenação Técnica do Projeto Dom Helder Camara; Adelmo Santos, supervisor do PDHC no Sertão do Pajeú; Aldo Meireles, supervisor do PDHC no Cariri; Fábio Aquino, da EMBRAPA Algodão; Pedro Jorge, da ONG cearense ESPLAR e representando a Rede do Algodão Agroecológico; além de entidades parceiras do Projeto Dom Helder nos dois territórios: CCAAFAIL, Diaconia, Coopagel, Cecor e Amuabas.

 

   

Galeria de Imagens  

   
   
© Projeto Dom Helder Camara